Faixa a Faixa: A Segunda Noite de pEssoa Errada

Texto por Filipe Grácio

A SEGUNDA NOITE é um disco que tem como fio condutor os temas da violência e da confusão. É sobre várias manifestações que essas (e outras) emoções têm na nossa vida. De nós para o exterior, e do exterior para nós. As músicas são ideias que estiveram na minha gaveta durante muitos anos, e tudo foi finalmente acabado (com colaboração de amigos, músicos e não só) durante  2011 e  2012.

#1 O Sangue dos Outros
A letra foi escrita e declamada pelo meu amigo e escritor Ruben S. Uma boa introdução para os temas e o ambiente do álbum. Um acordar confuso e libertino.

#2 O Passageiro
A letra da faixa de abertura do White Pony (Feiticeira) sempre me fascinou. A história tem dois personagens, e na minha música quis inverter o papel do narrador. Portanto, pedi à Filipa Vale que se pusesse no lugar da personagem feminina. Acaba tudo bastante mal (para ele, não para ela)

#3 A Ditadura do Dinheiro
As merdinhas do dia a dia que nos vão esmagando a todos. Um dos partos mais difíceis do álbum (faz sentido). Adoro o contraste do baixo quebrado no fim, com o caos da guitarra.

#4 Coelhinhos
Gravada essencialmente lá para 1999. O meu amigo Nun Bray na voz e percussão e eu na guitarra. Foi um sucesso na nossa escola secundária. Estávamos bem à frente dos medíocres Cebola Mol. Gravado para o windows sound recorder com um microfone de… 500 escudos talvez. São estas as minhas raízes musicais. Era difícil ter começado melhor!

#5 Amba & Bhishma
Baseado na história de um casal, personagens secundárias do Mahabharata. Quem quiser que vá ler sobre eles. A Filipa Vale toca o piano e canta. A guitarra flamejante na segunda metada da música é a voz de Amba (e a morte de Bhishma).

#6 Bill-f
Uma mensagem de amor para o Sr. Fachada. Fico à espera de resposta (o mínimo de cortesia assim o exige).

#7 Missão
Talvez a minha primeira música a sério completa e complexa a solo. A base deve ter uns 8 anos, e desde então mudou muito pouco. Andou de PC em PC, precisei de estar constantemente a importar os ficheiros para software de gravação menos desactualizado. Sempre adorei o nível de tensão e confusão que consegui exprimir nesta música. Fiquei (e ainda estou) orgulhoso.

#8 redrum, redrum
Um riff que fiz, que depois passei para madcab, e que voltou para mim. Transformei-o numa música completa, pus-lhe a voz do CC e dei-lhe, literalmente, um twist final. Os mais cinéfilos detectarão no título uma pista óbvia para resolver a música.

#9 Rasgado
Uma atmosfera que me faz lembrar um incêndio futuristico. Uma homenagem ao Sr. Hicks e ao papel positivo que várias substâncias tiveram na minha vida. (A Filipa Vale teve rédea solta na letra).

#10 O Mestre e a Lâmina
Um pesadelo na noite da Rússia. Filipa Vale no violino. Ainda me arrepia de cada vez que a oiço.

#11 Um Olho e a Vida
Uma progressão de piano com tempos estranhos. Sobre uma vingança fatal, concretizada na voz com a mestria do Azevedo Silva. Acabada literalmente na noite antes do álbum sair.

#12 Oh Que ri do
Uma das que me deixou mais orgulhoso pelo grau de experimentalismo bem sucedido! Ao meu lado (em 2007) esteve a enorme criatividade do meu amigo Nun Bray; e a música conta com a contribuição vocal de uma neurocientista e de uma empresária de sucesso (a Sara e a Daniela) que foram dar uso aos seus pulmões e queimar as cordas vocais para meu prazer.

“A Segunda Noite” está disponível para download gratuito e legal na página do bandcamp de pEssoa Errada.

Deixar uma resposta