Faixa a Faixa: “LP EP” de Gobi Bear

Texto por Diogo Alves Pinto

No início de Dezembro passei uma semana no Porto com o André Abrantes, que gravou (com o Jorge de Carvalho) e misturou o EP na Escola das Artes da Universidade Católica do Porto. O nome “LP EP” foi sugerido na brincadeira pelo Jerónimo dos Birds Are Indie e fez tanto sentido na minha cabeça que assim ficou.

Trata-se de um EP com 12 pequenas canções de cariz muito mais pessoal do que as que tinha até à data lançado. Também por isso foram quase todas gravadas ao primeiro take e, também por isso, o que não faltam são pregos. Acho que eram necessários. Mais uma vez, todos os instrumentos são tocados por mim.

#1 Bad Politics
Trata-se de uma espécie de narração em primeira pessoa de alguém com poder (a relação com a política está bem implícita no título, não é?) que, provavelmente até a favor de todas as expectativas, deitou tudo a perder e desiludiu milhões. Acho que explora também um bocado a questão do bode expiatório. No fundo, todos nos sentimos melhor se pudermos colocar as culpas em alguém, sem consequências.

#2 Black Lights
A Black Lights é antiga. É uma das primeiras canções que compus. De sempre. Não achei que encaixasse no primeiro EP, então foi uma das primeiras a ser pensadas para incluir este disco, juntamente com a Bad Politics (ainda mais velhinha do que esta). Tem mais a ver com sensações do que qualquer outra coisa.

#3 Wooden Toys
A Wooden Toys tem uma questão muito engraçada. Para além de partilhar acordes com a Men-Like Clouds (do Demo EP), foram as duas pensadas em viagens de comboio, mas com cerca de 1 ano de diferença. Refere-se a todo um imaginário de recordações e daquele tempo que não volta. Ou volta.

#4 Meanwhile
O título foi escolhido completamente ao acaso. Fala-se de distância e do passar do tempo e a expressão “entretanto” trouxe-me uma sensação de uma mudança de frame: “3 anos depois”. Que fazia mais ou menos sentido. Já tinha sido filmado a tocar esta por um amigo, Artur Serrano, num ID Clip para o FMI em Setembro. É assim tão pequena.

#5 Buffalo Dance
Surgiu a partir de um filme de Thomas Edison chamado, para choque de todos, “Buffalo Dance”. Não sei explicar o que saiu a partir daí. Como não consigo explicar a próxima faixa. A canção foi alterada no dia da gravação, estava habituado a tocá-la estando preso aos loops e então na gravação deixei os acordes soar.

#6 The Barber Shop
É a única faixa que não inclui guitarra. É tocada no ukulele. A ideia para a canção surgiu quando vi o filme “What Demoralized the Barber Shop”, também de Thomas Edison.

#7 Mr. Allen’s Desert Scenario
Há muita tensão, segredos, promessas e nervosismo no ar. E tenta-se ultrapassar/viver com isso.

#8 The Tourist
O nome e a letra explicam tudo. Não consigo mesmo desenvolver nada para lá deles.

#9 Lebanon
Chama-se Lebanon, porque a fonética diz o que eu queria que o título expressasse. Não tem de todo a ver com o Líbano.

#10 Heartbeat
Nove pessoas numa sala, uma televisão ligada, muito fumo no ar e um abraço apertado no sofá.

#11 The Fireplace
A referência à lareira está lá. A parte da guitarra foi feita numa casa que, curiosamente, não tinha lareira. Já a letra foi escrita numa sala com lareira. 120km mais tarde.

#12 Emily
Imagino um casal a viver longe do resto do mundo, numa pequena ilha com um farol. Ele trabalha no mar e ela espera impacientemente a sua chegada.

O “LP EP” de Gobi Bear é hoje editado pela Murmürio Records e está já disponível para audição aqui ou pode ainda ser descarregado livremente aqui.

Deixar uma resposta