Faixa a Faixa: “Lista Negra” de Amor Terror

Este disco foi gravado na primavera de 2011 com a grande preocupação em construir uma sonoridade que nos diferenciasse. Tentámos fazê-lo naturalmente sem grandes planos, barreiras ou preconceitos. Passámos dois meses e meio em estúdio muito divertidos. Crescemos como banda, como pessoas, e recordamos com carinho o momento em que recebemos a primeira mistura do álbum. Duas curiosidades mais: O alinhamento das canções foi feito por um sueco que nada percebe de português. Andámos meses a procurar o nome para o álbum e “Lista Negra” estava mesmo debaixo do nosso nariz. Foi a última coisa a ser decidida.

#1 Psycho
Este tema é pura constatação. Trata do estado em que a maioria das pessoas se encontram. As pessoas fazem e vivem loucuras sem se questionarem. Fazem-no automaticamente.
Queríamos falar muito directamente da crise de causas e de valores que atravessamos. Não nos conseguimos habituar a esta procura incessante do acessório. Não lidamos bem com a clonagem cultural, com a tolerância para com a estupidez, com esta falta de sentido de ridículo que se tem instituído durante estes últimos anos.
Estamos em negação.

#2 Sabotagem Indecente
Esta história é verídica. O episódio passou-se com umas amigas nossas que partilhavam casa na altura. Como o caso rendeu ainda umas boas gargalhadas no meio do nosso grupo de amigos, decidimos encaixar o assunto numa melodia que já estava pronta. Saiu uma canção bem disposta, provavelmente a mais alegre do disco, muito divertida e que funciona muito bem em concerto.
Adoramos os “desenhos” dos versos da bateria e o facto de a estrutura ser em loop, acentuando as melodias.

#3 Casar e Sofrer
Esta canção não é uma tomada de posição sobre o casamento. É uma atitude perante quem escolhe “copiar vidas”. É o que nós pensamos sobre quem escolhe o típico, quem assume o óbvio para a sua vida.
Algumas pessoas não atingem isto.
À medida que fomos crescendo, fomos vendo os nossos amigos e outros a casar, ter filhos, escolher caminhos profissionais teoricamente mais seguros, comprar casa, etc. Para nós o abandono do percurso natural de cada um, para mais facilmente se introduzir num rebanho tem tido um efeito depressivo e trágico na vida dessas pessoas.
Não criticamos esse percurso. Apenas o questionamos!
Musicalmente brincamos com a urgência em que as pessoas têm em viver esses tempos, no início da canção, contrastando depois, com o silêncio e lentidão do final da música. Está lá para simbolizar um penoso e longo passar do tempo.
O único motivo válido é sempre e somente o amor.

#4 Ordinária
As pessoas reagem mal à diferença e ao conflito em Portugal. A maior parte tem tendência a se ofender com facilidade.
Aqui a música surgiu do tema.
Decidimos fazer uma canção sobre vulgaridade, mesquinhez, má educação e má formação. Sobre os que enfiam o barrete, as virgens ofendidas, os moralistas, os que jogam sujo. Sobre os invejosos, os que se vitimizam, os que se mandam para o chão dentro da área.
Temos a certeza que existirá quem se sinta ofendidíssimo com este tema… E temos a certeza que será um imbecil.

#5 O Contracto
É o momento acústico do disco. Foi a última canção a ser composta e uma das experiências de estúdio mais divertidas.
Foi espectacular graças aos convidados.
A voz da Ana Sofia Antunes trouxe uma dimensão etérea à coisa. De repente temos a Branca de Neve a participar num disco, num tema sobre o passar do tempo. Sobre mudança.
Em termos sonoros foi surpreendente.
Nós conhecemos o Paulo Holandês de outros carnavais e, quando surgiu a hipótese de adornarmos algumas canções com teclas, pensámos imediatamente nele. Um pequeno génio harmónico que conseguiu dimensionar os arranjos de cordas, dando um novo ambiente a canção.
Foi fantástico poder incorporar amigos tão talentosos no disco. Partilhar com eles uma canção tão pessoal e tão importante para nós. Adorámos o resultado e esperamos um dia repetir a graça.

#6 Chega
O tema central desta canção é o fim de um relacionamento antigo com uma miúda de mau feitio. Trata-se do momento exacto em que tudo acaba. A discussão final. É curioso e, pensando nisto pela primeira vez, de como a música e a letra cresceram simultaneamente. As próprias dinâmicas são analogias aos altos e baixos da relação.
É uma canção muito querida e uma das favoritas da banda em concerto.
Explosiva.

#7 Isabel
Mais do que uma música sobre mulheres bonitas, esta é a faixa sobre aquela pessoa especial, que nunca será tua.
Desconhece-se a razão mas as coisas não estão destinadas.
É um delírio urgente. Um tributo. Uma confissão na 1ª pessoa.
Esta é uma das canções mais antigas e com o passar do tempo fomos acrescentando tensão. Ela foi ficando nervosa. Acentuamos a inquietude e o desassossego que uma mulher rara nos causa.
Muita gente pergunta e devemos esclarecer. A Isabel não existe efectivamente. Cada um tem a sua Isabel… ou melhor… Cada um tem a Isabel que merece.

#8 A Noite
Apesar de buscarmos uma sonoridade, não deixamos de experimentar e explorar diferentes ambientes.
A Noite foi das últimas canções a chegar ao álbum e depressa nos apercebemos que devíamos fazer algo diferente com ela. Decidimos acentuar a parte orgânica do som e fazer crescer a canção em estúdio. Podemos até confessar que gravámos esta bateria numa sala diferente das restantes, que usámos um set de bateria diferente do habitual, distorções diversas, uma boa dose de teclados (mais uma vez da autoria do Paulo Holandês), e convidamos a Maria Margarida Rodrigues para dar ainda mais cor ao tema.
Para nós o resultado foi espantoso. É uma das favoritas da banda.
A canção recorda episódios da nossa vida, ou seja, também esta história existiu. Fala de encantamento, da magia que existe quando nos apaixonamos inesperadamente por alguém. Esse deslumbramento quase inocente é muito poderoso. Altera o sensorial. Altera o racional. É lindo.

#9 Lista Negra
Sinceramente nem sabemos com apresentar esta canção. A letra fala de tudo.
Talvez seja sobre liberdade? Um urgente desejo de liberdade. É um desafio inconformado. É transformação. É garra.
É a nossa Lista Negra.
Foi muito fácil construir esta canção. Demorámos pouquíssimo tempo. Sabíamos exactamente como e o que queríamos transmitir e ficámos bastante satisfeitos com o resultado.

A Lista Negra” dos Amor Terror pode ser escutada na página de bandcamp da banda e está também disponível no iTunes.

2 responses to “Faixa a Faixa: “Lista Negra” de Amor Terror

  1. Pingback: AMOR TERROR » A Lista Negra faixa a faixa·

Deixar uma resposta