Entrevista aos Comeback Kid

Ainda a esgotar os temas do último disco editado, o “Symptoms + Cures“, os canadianos Comeback Kid regressaram recentemente ao nosso país para mais um concerto em Lisboa (fotoreportagem aqui), a cargo da Xuxa Jurássica, e outro no Algarve, em Loulé, naquela que foi a estreia da banda nesse local pelas mãos da Impact|Bookings e a I Can C U Productions em conjunto com o Bar Bafo de Baco. Sempre muito bem recebidos e acarinhados pelo público nacional, decidimos conversar com a banda e explorar essa relação simbiótica, para além de tentarmos perceber o que andam já a planear para o futuro, está tudo aí em baixo.

1. Contam já com várias passagens por Portugal, como é que se sentem por estarem de regresso ao nosso país?
Ficamos ansiosos por isso de cada vez. Fizemos amigos no país que estamos sempre ansiosos por rever e os concertos são sempre divertidos de tocar. É também um dos lugares em que gostamos de acabar as nossas digressões para podermos ficar mais uns dias e fazer umas férias!

2. Têm alguma recordação especial das vossas passagens por cá, algo que vos tenha marcado?
Lembro-me de há uns anos atrás estarmos a fazer alguns concertos em que nos deslocávamos de avião, e um deles era em Lisboa. Estávamos a voar com a British Airways e eles perderam toda a nossa bagagem e guitarras. Quando finalmente conseguimos resolver esse problema com o pessoal do aeroporto já estávamos a ficar atrasados para o concerto. Chegámos mesmo a meio do concerto dos Devil In Me e ficámos “whoa! esta banda está a partir tudo!”. Felizmente pudemos usar o equipamento deles emprestado, tocar um concerto super divertido e somos amigos desde então.

3. Andam acerca de dois anos a apresentar ao vivo o disco “Symptoms + Cures”, editado em 2010, ainda tocam todos os temas com a mesma vontade que tinham, por exemplo, quando o álbum ainda estava ‘fresco’?
Oh, sim, claro. Com quatro discos editados temos imensas músicas por onde escolher, por isso fazemos sempre uma setlist equilibrada com temas mais novos e outros mais antigos, de forma a extrair o máximo de energia dela.

4. Estão a pensar trabalhar em material novo em breve?
Ainda vamos fazer um bom volume de concertos em digressão mas, estamos já a planear em pôr algum tempo de parte num futuro próximo para escrever novas canções. Quanto a um novo disco, isso ainda irá demorar, mas iremos trabalhar para isso quando sentirmos que é o momento certo.

5. A Xuxa Jurássica é mais uma vez a promotora responsável pelo vosso regresso a Lisboa. Como é que vêem o papel destas promotoras independentes no panorama musical de um país?
É sempre bom trabalhar com promotoras independents em vez de grandes corporações. Não é realmente uma decisão nossa visto que temos uma agência que trata de marcar os nossos concertos, no entanto, se tivéssemos uma preferência, iria sempre para trabalhar com pessoas que percebem melhor o meio em que estamos inseridos, sim.

6. Também a Impact|Bookings e a I Can C U Productions em conjunto com o Bar Bafo de Baco trouxeram-vos agora pela primeira vez ao Algarve, como é que foi este concerto?
Foi óptimo! Foi a primeira vez e havia imensa energia dentro da sala. Esperamos poder voltar.

7. Para quem nunca assistiu a um concerto vosso, o que é que pode esperar das vossas actuações?
O mesmo de sempre. Não temos quaisquer truques com a nossa banda, por isso, apenas tocamos as nossas músicas com o máximo de intensidade que pudermos e esperamos conectar-nos com o público que, esperançosamente, estará tão enérgico quanto nós. Nada é melhor que nos alimentarmos da energia uns dos outros.

8. Quando andam em tour por países tão distintos, tentam saber junto de outras bandas algumas informações sobre esses mesmos lugares?
As bandas falam sempre umas com as outras, por isso estamos sempre a falar dos nossos lugares favoritos para tocar e visitar.

10. Querem deixar alguma mensagem aos vossos fãs em Portugal?
Como já disse antes, adoramos o vosso país. É um lugar onde adoramos tocar, visitar e estar com os nossos amigos, por isso espero que não seja muita a espera até estarmos de volta!

Entrevista por Hugo Rodrigues

Deixar uma resposta